Melhores filmes em cartaz (atualizado constantemente)

1) “As Boas Maneiras”: Ótimo. Uma saborosa e grande surpresa assistir a um filme brasileiro de suspense, e com efeitos especiais de real qualidade. Atuações marcantes em papéis difíceis de Marjorie Estiano e, especialmente, Isabél Zuaa. Os diretores Juliana Rojas e Marco Dutra ousaram o tempo inteiro, integrando estilos diferentes – suspense/fantasia e drama -, ponto onde já derraparam nomes como Woody Allen (no superestimado “Match Point”) e Almodóvar (em “Má Educação”, q perdeu a chance de ser uma obra-prima). Além disso, o roteiro discute de forma interessante e não lugar-comum preconceitos vindos das classes altas e das baixas, exibindo sem maniqueísmo o quanto o medo do ser humano evoca suas emoções mais primitivas, como ódio e violência. Como se não bastasse todo este conteúdo, ainda sobra espaço para um tesão homossexual q está para além do dito “gênero”. Pra quem gosta de referências, algumas cenas lembram momentos de “A Marca da Pantera” e outras o excelente nórdico “Deixe Ela Entrar”.

2) “Custódia”: Ótimo. Extremamente tenso, fixa o espectador na fina linha da iminência de uma desgraça. A carga dramática, extenuante, lembra filmes como o excelente italiano “Violação de Domicílio”, e a obra-prima francesa “O Ódio”. A direção, bastante competente, nos conecta ao drama de uma mulher e seus 2 filhos à beira de um colapso, através do horror e da raiva ante à fragilidade, ingenuidade e otimismo negligente. O ex-marido, vivido brilhantemente pelo ator Denis Ménochet, procura um lugar no mundo com as parcas forças q tem, a violência sempre à beira de alguma destruição.

3) “Desobediência”: Muito bom. Após a morte de um rabino respeitado por todos, sua filha volta de Nova York para os cerimoniais de despedida. Reencontra uma amiga com quem teve uma história apaixonada, agora casada com um primo. Este retorno provoca grandes intensidades e dúvidas na vida de todos. O filme mostra com muita qualidade o efeito mórbido da deserotização, da desistência das intensidades. Porém, como diria Freud, esta “solução de compromisso” nunca funciona plenamente, e o “retorno do recalcado” é inevitável.

 

Anúncios