15 Melhores Filmes Brasileiros de Todos os Tempos

Sempre resisti à ideia de fazer este tipo de lista dos “melhores”. Sempre achei q isso não servia pra praticamente nada, apenas um exercício de vaidade pública. Mudei de ideia, hj penso q pode ser apenas uma troca de experiências e sensações, prazerosa e despretensiosa.

Listar os melhores filmes sempre provoca justos questionamentos, como: “Faltou o Glauber!!”, “Sem Nelson Pereira dos Santos não faz sentido.”. Enfim, só o q sempre resta é fazer algo pessoal. Então, o critério aqui será: os 15 brasileiros q mais me afetaram, impactaram. Não vou discutir aspectos técnicos, nem qualidade artística do diretor ou das atuações, especificamente. Tudo ficará incluído nesta categoria escolhida, nomeada “afetação/impacto/atravessamento”. Por último, “Por que 15 e não 10, ou 50?”: pq este número acabou sendo resultado dos q não consegui excluir. Os restantes q também adorei estão na Grande Lista (ler mais no post “Grande Lista de Filmes (atualizada constantemente)”, aqui neste blog.

Sem mais delongas, aqui vão os 15, em ardem de afetação, c/ breves comentários:

1) “Janela da Alma”: Maravilhoso, poético, irretocável. João Jardim e Walter Carvalho dirigem Wim Wenders, Saramago, Manoel de Barros, Oliver Sacks, Hermeto Pascoal, João Ubaldo, etc. Emocionante, depoimentos extremamente inteligentes e sensíveis.

2) “Vinícius”: Além de Vinícius de Moraes ser um poeta dos maiores, o diretor Miguel Faria Jr. apresenta de forma preciosa sua história, parceiros, idiossincrasias, polêmicas, intensidades. Inúmeras falas inesquecíveis, como as de Ferreira Gullar, Maria Bethânia, Chico Buarque e Tonia Carrero. Além de interpretações tocantes de suas músicas, como a de Mônica Salmaso. O único senão é a presença tosca da fraquíssima Camila Morgado.

3) “Elena”: Obra-prima de máxima sensibilidade de Petra Costa, a melhor diretora brasileira. Filme radicalmente autoral, para além de ser um doc autobiográfico. O atravessamento de sua dor pela perda da irmã Elena é vivido visceralmente, sem concessões, até q possa, enfim, voltar a respirar. Petra filma à perfeição, tanto dor, quanto amor, melancolia (da mãe) e a própria sublimação de seu fantasma.

4) “Moscou”: A obra-prima máxima do melhor documentarista do Brasil, e um dos mais importantes do mundo: Eduardo Coutinho. Seguindo a potência de seu filme anterior “Jogo de Cena”, outra obra-prima, o diretor aprofunda sua criatividade e sensibilidade artística filmando o Grupo Galpão de teatro ensaiar uma peça de Tchekhov, q nunca seria exibida ao público. Os atores se revezam ensaiando papéis diferentes, o q provoca um jorro de afetação no espectador, pois este recurso lança cada personagem com muito mais força, transmitido por mais de um ator. Incrível.

5) “Ônibus 174”: Excelente doc de José Padilha, um de nossos melhores diretores. Contundente, sério e minucioso. A tragédia do sequestro de um ônibus na Zona Sul do Rio de Janeiro sendo contada de forma a retratar a “invisibilidade” dos meninos de rua, e os horrores de suas história de vida. O sequestrador, na infância, assistiu à sua mãe ser degolada na porta de sua casa, e anos depois esteve entre os meninos da chamada “chacina da Candelária”, onde 8 adolescentes foram gratuitamente assassinados por policiais militares. No filme, destaque para a cena em q o sequestrador, mesmo drogado, liberta um jovem universitário, para q este possa estudar.

6) “Moacir – Arte bruta”: Extremamente sensível. O diretor Walter Carvalho atinge a perfeição ao trazer um retrato tocante de um artista q contrariou o “pensamento” preconceituoso de sua vila (São Jorge), para inscrever suas pinturas no cenário mundial (foi descoberto por turistas alemães). Seus temas – sexualidade e diabos – causam horror na hipocrisia daquela sociedade, q quase consegue encarcerá-lo, literalmente. A sensibilidade de seu pai e de um ou outro na vila acabam por sustentar seus direitos humanos. Sua mãe, psicotizante, enfiava concretamente seu peito no garoto (Moacir tinha então 2 anos), quando este já não aceitava mais.  É um homem da resistência, surdo de um ouvido, analfabeto e fanho, mas mais belo e forte do q a maioria das pessoas q já conheci. Já utilizei este filme várias vezes em aulas sobre a potência da psicose. Cheguei a visitar o próprio Moacir em São Jorge (Goiás), e encontrei um cenário triste: uma doença degenerativa o impede de continuar pintando. Terrível… Ainda assim, ele foi super gentil. Eternamente um resistente.

7) “Separações”: O melhor de todos os filmes de Domingos Oliveira, um dos melhores diretores brasileiros. Com um escracho generalizado um tanto à la Woody Allen, o humor deste filme é ímpar. Reviravoltas com simplicidade e inteligência nos diálogos, Domingos arrasa todo e qualquer maniqueísmo, trazendo o desamparo e as tentações com igual intensidade entre homem e mulher. O respeito não panfletário à igualdade grita nos conflitos e agonias poéticas e histriônicas dos personagens, flertando com o patético mas encerrando na beleza demasiadamente humana dos casais.

8) “O Invasor”: Belíssimo e extremamente preciso trabalho do diretor Beto Brant. Um tratado de Psicanálise sobre a relação da Neurose com a Perversão. Paulo Miklos (da banda “Titãs”) atua à perfeição como um matador q resolve “frequentar” a firma de 2 sócios q o contrataram para matar o terceiro. Falas inesquecíveis, olhares e tensões de poder minuciosamente colocados. Obra-prima irretocável.

9) “Nome Próprio”: O diretor Murilo Salles atinge o brilhantismo nesta obra impressionante, com um título perfeito. O nomadismo da protagonista incomoda o público, causando em muitos a sensação de q as escolhas da personagem seriam bizarras. Sua liberdade – não glamourizada – evidencia os aprisionamentos até dos espectadores menos preconceituosos. Virtuosismo notável da direção. Ler mais no post “Estilo X Pejorativismo (sobre ‘Nome Próprio’)”, aqui neste blog.

10) “O Cheiro do Ralo”: O maior trabalho da vida de Selton Mello, um dos melhores atores brasileiros (chego a considerar q este filme, especificamente, não seria possível com outro ator). Articular traços psicóticos e perversos num único personagem – tarefa praticamente impossível – foi o q o diretor Heitor Dhalia conseguiu realizar, com precisão impressionante, na parceria com Selton.

11) “Jogo de Cena”: Mais uma obra-prima do diretor Eduardo Coutinho. “Documentário” sobre as histórias de vida de algumas personagens, apresentadas subsequentemente pelas próprias, por algumas atrizes conhecidas – as brilhantes Marília Pêra, Fernanda Torres e Andréa Beltrão – e outras desconhecidas. Essa “bagunça” desconstrutiva provoca com bastante intensidade a desorganização do espectador. Ficam, entre outras, as questões: o q é o autêntico? O q é ficção? Estes são pontos bastante centrais na filmografia do mestre Eduardo Coutinho.

12) “Doutores da Alegria”: Documentário belíssimo e extremamente emocionante da diretora Mara Mourão, sobre o grupo de palhaços q criaram um trabalho dificílimo com crianças portadoras de câncer. Minuciosamente, os palhaços pensam cada sutileza – a entrada e a saída do quarto, a recusa da criança, a função do nariz vermelho, da música -, inclusive fazendo um grupo de estudos de filosofia, discutindo Spinoza, etc. A sensibilidade e a inteligência dos integrantes do grupo é absurda. A chorar muitas lágrimas de dor e alegria…

13) “Dzi Croquettes”: Excelente documentário dos diretores Raphael Alvarez e Tatiana Issa, sobre o grupo de teatro e dança multi performático. O tema sexualidade era exposto radicalment –  para além da chamada “opção sexual”. A intensidade e genialidade dos membros fez com q não sofressem praticamente nenhuma repressão na época da ditadura. Criativo ao extremo na transmissão da arte. Destaque para os depoimentos de Liza Minnelli e Miéle.

14) “O Som ao Redor”: Filme extremamente denso, desviando nossa atenção dos eixos viciados do nosso olhar, para outras perspectivas. Para além do silêncio – já bastante bem explorado na história do cinema -, o diretor Kleber Mendonça Filho de fato mira o entorno do cotidiano. E o faz com rara qualidade, insistentemente, até q nos desapegamos em definitivo de nossas tendenciosas perspectivas anteriores. A história, geralmente central, fica deslocada para a margem.

15) “Tropa de Elite”: Poderia ser apenas um filme policial intenso e dinâmico, mas vai muito além. Multifacetada trama de costumes, apresenta uma perspectiva de bastidores do sistema policial brasileiro. Com precioso senso de humor, imortalizou bordões como “Quer rir, tem q fazer rir, mano!”, “Quer me fuder, me beija!” e “Cada cachorro q lamba sua caceta!”. Algumas críticas de superficialidade maniqueísta acusaram o diretor José Padilha de traçar um perfil tendencioso pró BOPE, ao q ele retrucou: “Quando fiz ‘Ônibus 174’, disseram q sou pró bandidagem; agora, com o ‘Tropa’, dizem q sou pró polícia. Acho q sou esquizofrênico.”. Pra completar, a ótima atuação de Wagner Moura.

Anúncios

Sobre o Oscar 2016, considerações…

Que o Oscar é uma premiação extremamente tendenciosa, q quase nunca laureia filmes não americanos, todos sabem. Porém, além de alguns filmes bons – nem tantos -, o mega evento tem o mérito de provocar q o mundo todo tente ver pelo menos um ou outro, emitir opinião, e quem sabe assistir junto com amigos. Ou seja, expandir o cinema.

Por conta disso, resolvi aqui colocar meus preferidos, dentre os indicados:

1) Filme Estrangeiro: A cada ano q passa, este segue sendo o único “braço” sério do Oscar. Praticamente todos os indicados são de alto nível. Neste ano, todos os 5 filmes são ótimos (como assisti a todos, comentarei com mais detalhes). Considero “Filho de Saul” e “Cinco Graças” um pouco abaixo dos outros três. Os dois melhores são “Guerra” e “O Lobo do Deserto”, sendo o primeiro um pouquinho melhor, mais complexo. Em terceiro lugar viria “O Abraço da Serpente”, também muito bom.

2) Melhor Filme: “A Grande Aposta” foi superior aos demais. Inteligente, dinâmico, divertido, criativo e com excelentes atuações (destaque para Steve Carell, impressionante, e para Christian Bale, um dos melhores atores da atualidade). Em segundo lugar, o excelente “O Quarto de Jack”, surpreendente. “Spotlight”, just ok; “O Regresso”, risível (faz lembrar do esquete “Joseph Climber”).

3) Melhor AtorEddie Redmayne, de “A Garota Dinamarquesa”, foi brilhante, apesar do filme ser todo previsível. Se o Oscar tende a premiar alguém 2 anos seguidos? Sem comentários, o importante é a atuação, claro. DiCaprio está apenas ok em “O Regresso”.

4) Melhor DireçãoAdam McKay, de “A Grande Aposta”. Escolheu grandes atores, trabalhou bem o roteiro, enfim, tudo bem orquestrado. Em segundo lugar, Lenny Abrahamson, de “O Quarto de Jack”, q abrilhantou e sofisticou uma história já conhecida. Os outros estão bem, à exceção de Iñárritu, um dos melhores do mundo, mas q patina feio em “O Regresso”, transformando uma história interessante num filme cômico e constrangedor.

5) Melhor Animação: “Divertida mente”, justo, inegável. Uma das melhores animações de todos os tempos. Mereceria ganhar também os oscars de Melhor Filme, Roteiro Original e Direção. Extremamente inteligente, parece um tratado de metapsicologia, riquíssimo, engraçado, complexo, dinâmico, envolvente. Perfeito. Em segundo lugar, “Anomalisa”, do fora-de-série Charlie Kaufman.

6) Melhor Roteiro Original: “Divertida mente”, por todos os motivos supracitados, vários degraus acima dos demais. Em segundo lugar, “Ex machina”, muito bom. “Spotlight” é interessante, mas não brilhante.

7) Melhor Roteiro Adaptado: “A Grande Aposta”, justo. Fez toda a diferença esta adaptação, tornando uma história interessante num tratado sobre a mediocridade geral. Em segundo lugar, “O Quarto de Jack”, pelos mesmos motivos do outro filme, porém um pouco abaixo.

8) Melhor Atriz: Brie Larson, de “O Quarto de Jack” está bem, mas nada q merecesse tanto. Charlotte Rampling, de “45 anos”, está surpreendentemente mal. Eu premiaria Jennifer Jason Leigh, de “Os Oito Odiados”, q considero ter sido protagonista, não coadjuvante.

9) Melhor Ator Coadjuvante: Christian Bale, de “A Grande Aposta”, sempre brilhante. Já mereceu o Oscar de Melhor Ator Principal algumas vezes, como em “O Operário”. Os outros estão bem, à exceção de Sylvester Stallone, obviamente fraquíssimo.

10) Melhor Atriz CoadjuvanteJennifer Jason Leigh, de “Os Oito Odiados”, incomparável. Já q concorreu como coadjuvante, q pelo menos ganhasse. Papel marcante, atuação brilhante; começa discreta e vai crescendo bem suavemente, até praticamente dominar o filme. Quanto a Alicia Vikander, de “A Garota Dinamarquesa”, é um dos maiores absurdos deste Oscar. Atuação fraquíssima, de ponta a ponta, sem conseguir sequer se beneficiar do fato de contracenar com Eddie Redmayne, soberbo em seu papel.

11) Melhor Fotografia: “O Regresso”, justo. O único prêmio q este filme merecia. Em segundo lugar, “Os Oito Odiados”.

 

Enfim, quanto às outras premiações, “Amy” (melhor documentário) é interessante apenas pela história da protagonista, não tanto como filme, por não ter sido tão bem dirigido.

Quanto aos outros prêmios ditos “técnicos”, eu os dividiria entre “Star Wars – O despertar da força”, “Mad Max – Estrada da fúria” e “Ex Machina”, todos muito bem realizados neste aspecto.

Pra finalizar, tocante ver Ennio Morricone (do clássico “Três Homens em Conflito”) ser laureado pela primeira vez pela trilha sonora de “Os Oito Odiados”, e agradecer a John Williams (“Tubarão”), q já coleciona 5 estatuetas, também concorrendo por “Star Wars – O despertar da força”. O prêmio deveria ser excepcionalmente dividido pelos dois monstros sagrados da história do cinema.